Município de Cuba

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

INFORMAÇÃO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA -

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
AECUBA REFEICOES ESCALAOA
AECUBA ESCOLA ACOLHIMENTO

\\REFEIÇÕES PARA ALUNOS DO ESCALÃO “A” ASSEGURADAS PELO AGRUPAMENTO

\\ ESCOLA BÁSICA FIALHO DE ALMEIDA É ESCOLA DE ACOLHIMENTO NO CONCELHO

O Agrupamento de Escolas de Cuba informa está em funcionamento, a partir de hoje, 16 de março, um Serviço de Refeições Excecional destinado aos alunos do Escalão A. “Os pais e encarregados de educação devem avisar até às 9:30 horas, do próprio dia, o seu interesse em usufruir da refeição”, sendo que “o horário para levantamento dos Kits com as refeições é das 11:45 às 13:00 horas, nas respetivas Escolas. Na Escola Básica Fialho de Almeida as refeições serão levantadas pelos pais e encarregados de educação na portaria”, enquanto “nas escolas das freguesias junto dos assistentes operacionais que estejam de serviço”.

O Agrupamento faz também saber que a Escola Básica Fialho de Almeida em Cuba é a escola do concelho definida como “Escola de Acolhimento”, dando cumprimento ao "Comunicado do Ministério da Educação do dia 14 de março", que determina que pelo menos uma escola de cada agrupamento terá de ficar aberta para receber os filhos e outros dependentes dos trabalhadores especiais que forem recrutados para trabalhar enquanto vigorarem as medidas extraordinárias para enfrentar a pandemia de Covid-19.

A medida, abrange os profissionais de saúde, das forças e serviços de segurança e de socorro – incluindo os bombeiros voluntários, e das forças armadas, os trabalhadores dos serviços públicos essenciais, de gestão e manutenção de infraestruturas essenciais, bem como outros serviços essenciais. “Os trabalhadores das atividades enunciadas terão de ser mobilizados pela entidade empregadora ou pela autoridade pública, podendo solicitar o acolhimento dos seus educandos diretamente ao Agrupamento de Escolas de Cuba, conquanto demonstrem reunir as condições de aplicação da medida”.

 

COVID-19 | DECLARAÇÃO DA SITUAÇÃO DE ALERTA

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

LOGO GMPC

O Gabinete Municipal de Proteção Civil da Câmara Municipal de Cuba divulga a presente informação à população:

Considerando que a Organização Mundial de Saúde, em 30 de janeiro de 2020, declarou a situação de Emergência de Saúde Pública de Âmbito Internacional da COVID- 19 e que, em 11 de março de 2020, considerou a COVID-19 como uma pandemia;

Atendendo à situação epidemiológica a nível mundial e a que têm vindo a aumentar os casos de infeção em Portugal, com o alargamento progressivo da sua expressão geográfica;

Considerando ser fundamental conter as possíveis linhas de contágio para controlar a situação epidemiológica em Portugal;

Na sequência da avaliação efetuada pela Comissão Nacional de Proteção Civil nas reuniões realizadas nos dias 3 e 9 de março de 2020;

Em consonância com as decisões tomadas pelo Conselho de Ministros na reunião do dia 12 de março de 2020;

Ao abrigo do n.º 6 do artigo 8.º e do n.º 1 do artigo 9.º, e no uso das competências previstas no n.º 2 do artigo 13.º, da Lei de Bases de Proteção Civil, aprovada pela Lei n.º 27/2006, de 3 de julho, na sua redação atual, e no n.º 3 da Base 34 da Lei de Bases da Saúde, aprovada pela Lei n.º 95/2019, de 4 de setembro:

1 - Declara-se a situação de alerta, nos termos do disposto na alínea a) do n.º 1 do artigo 8.º da Lei n.º 27/2006, de 3 de julho, na sua redação atual.

2 - A situação de alerta abrange todo o território nacional e vigora até 9 de abril de 2020, podendo ser prorrogada em função da evolução da situação epidemiológica.

3 - No âmbito da situação de alerta, determina-se a adoção das seguintes medidas, de carácter excecional:
a) Aumento do estado de prontidão das forças e serviços de segurança e de todos os agentes de proteção civil, com reforço de meios para eventuais operações de apoio na área da saúde pública;
b) Interdição da realização de eventos, de qualquer natureza, em recintos cobertos que, previsivelmente, reúnam mais de 1000 pessoas e ao ar livre com, previsivelmente, mais de 5000 pessoas;
c) Suspensão do funcionamento dos estabelecimentos de restauração e de bebidas que disponham de salas ou de espaços destinados a dança;
d) Acompanhamento da situação por uma subcomissão, no âmbito da Comissão Nacional de Proteção Civil, em regime de permanência, enquanto estrutura responsável pela recolha e tratamento da informação relativa ao surto epidémico em curso, garantindo uma permanente monitorização da situação;
e) Ativação do sistema de avisos à população pela Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

4 - O Ministro da Administração Interna, através de despacho conjunto com a Ministra da Saúde e a tutela setorial, adota as medidas adicionais que se mostrem necessárias ao cumprimento dos objetivos que justificam a presente declaração da situação de alerta.

5 - As comissões municipais e os centros de coordenação operacional distrital de proteção civil monitorizam a situação nas suas áreas de competência territorial, devendo informar prontamente o Centro de Coordenação Operacional Nacional.

6 - Durante o período de vigência da declaração de alerta, os cidadãos e as demais entidades têm, nos termos dos n.ºs 1 a 3 do artigo 6.º da Lei de Bases da Proteção Civil, o dever de colaboração, nomeadamente no cumprimento de ordens ou instruções dos órgãos e agentes responsáveis pela segurança interna e pela proteção civil e na pronta satisfação de solicitações que justificadamente lhes sejam feitas pelas entidades competentes para a concretização das medidas que justificam a presente declaração.

7 - A desobediência e a resistência às ordens legítimas das entidades competentes, quando praticadas em situação de alerta, constituem crime e são sancionadas nos termos da lei penal, sendo as respetivas penas agravadas em um terço, nos seus limites mínimo e máximo, nos termos do n.º 4 do artigo 6.º da Lei de Bases da Proteção Civil.

8 - A declaração da situação de alerta entra em vigor imediatamente.

pdf icon DECLARAÇÃO DA SITUAÇÃO DE ALERTA

 

MEDIDAS PREVENTIVAS COVID-19 | SUSPENSÃO DO SERVIÇO (PORTA-A-PORTA) DE LEITURA E COBRANÇA DE CONSUMO DE ÁGUA

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

BRASAO SITE\\ Transferência Bancária ou Referência Multibanco são os métodos preferenciais de pagamento.
\\ Para qualquer assunto, deve ser privilegiado o contacto telefónico ou o email.

A Câmara Municipal de Cuba informa que no âmbito das medidas de prevenção previstas pelo Plano de Contingência para Infeção pelo novo coronavírus (covid-19), está suspenso o serviço porta-a-porta de leitura e cobrança de consumo de água. A autarquia apela à compreensão de todos, avançando que para o pagamento de faturas os munícipes devem optar por métodos alternativos ao contacto presencial, nomeadamente através de transferência bancária ou da referência multibanco que consta na fatura.

Mais se informa que os consumidores que assim o entendam podem enviar a leitura do contador (por terlefone ou email), caso contrário o valor do processamento no próximo mês será feito por estimativa.

Para qualquer esclarecimento, deste ou de outros assuntos, o Município recorda que DEVE SER PRIVILEGIADO O CONTACTO TELEFÓNICO (284 419 900) OU POR E-MAIL ( Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar ).

 


Pág. 6 de 450

Ligações Rápidas









Agenda


Não tem eventos

Boletim Municipal


Brasao Câmara Municipal de Cuba
Rua Serpa Pinto 84
7940-172 Cuba

Telefone: 284 419 900
Fax: 284 415 137
Email: geral@cm-cuba.pt
Horário de Funcionamento: Das 9h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30